Avançar para o conteúdo principal

(Não) gostamos quando o pai viaja

Até agora ainda não tínhamos passado por este desafio.
Costumam ser habituais pequenas viagens de trabalho para fora não mais do que uma semana.

Este ano, uma viagem de 20 dias num trabalho irrecusável, coincidiu exactamente com os nossos únicos dias de férias na praia em família e mais... coincide com a data do primeiro dia de aulas da escola da A.

Fomos ultrapassando o choque inicial, especialmente a mãe que escreve aqui... que só via frases de desespero a aparecer na cabeça
"Aiiiii como é que vou fazer praia sozinha com as duas?"
"Aiiii isto vai ser muito complicado organizar tudo sozinha"
Aiiii e de manhã? como vou fazer para não nos atrasarmos..."
"Aiiii isto vai ser impossível!"
"Aiiii eu não vou conseguir..."

Para ajudar à festa o carro avariou uns dias antes das férias - rezem para que não vos aconteça o mesmo - em mês de Agosto estão apenas garantidos serviços mínimos como nas greves e oficinas com disponibilidade são quase zero. Damos graças por termos "amigos que são como irmãos" que nos emprestam carro para as férias. Problema 1 resolvido.

Depois gostamos de acreditar que tudo acontece por uma razão.
Reclamamos muito de não nos conseguirmos organizar. Estes dias "vou ter que contrariar isto ou então não sobrevivo". A regra nº1: "não deixei para amanhã o que podes fazer hoje" (mesmo que esteja de rastos e o que me apeteça seja esticar-me no sofá a olhar para o tecto).

Falamos pelo WhatsApp em horários completamente diferentes, cá é noite lá é dia. Vemos no globo onde o pai está e desenhamos uma linha que cabe na mão e que nos faz sentir muito mais perto. Fazemos contagem decrescente dos dias sempre a reduzir. Dormimos agarradas e juntas para que a saudade não entre no coração.

O problema da viagem do pai não se prende com a logística familiar. 
O problema são os mimos. A ausência dos mimos.
A vontade de abrir o portão da garagem e saber que "o pai já chegou".
A vontade de estarmos quase a começar a jantar e ouviremos a porta a abrir-se.
A vontade de ouviremos a sua voz, dos aviões nos braços, da paciência para as histórias, do colo depois do banho.
A vontade de sentir o seu abraço.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: PARA MIMAR QUEM MIMA OS NOSSOS FILHOS

Gostamos de satisfazer desejos, por isso e devido a vários pedidos, adaptámos os modelos dos nossos quadros para oferecerem às educadoras e auxiliares das creches e jardins de infância, às professoras da escola primária, amas e a todas pessoas que queiram homenagear!
As "quase-mães emprestadas" dos nossos filhos também merecem serem mimadas!

_
Impressões em papel reciclado 300gr mate.
18x24cm 
incluiem moldura e embrulho personalizado.
_
PARA ENCOMENDAR envie-nos os seguintes dados:
1. Escolha o modelo do quadro 
2. Escolha a cor pretendida

3. Envie dados de personalização
NOME
Frase destaque
Modelo1. Palavras (+/- 15)
Modelo2. Frases curtas (+/- 10)

NOTA: 
Na criação das composições os textos podem sofrer ligeiras alterações/ adaptações de forma a conseguir o melhor resultado.

Coroa de Princesa

Estamos em fase de amores pelas Princesas. Todas elas, a do sapato, a adormecida, a do mar...
Hoje na escola a princesa é verde, princesa da floresta amiga do ambiente :) com vestido feito de materiais reciclado incluindo a coroa.
O Carnaval é uma óptima oportunidade para, em família, fazermos adereços caseiros e nós gostamos disso!
Deixamos algumas ideias, umas mais fáceis que outras mas todas com resultados muito bonitos.


1. Coroas feitas com rolos de papel.
A NOSSA ESCOLHA!
A decoração pode ser feita com muitos materiais conforme o que tenham em casa: tecidos, papéis, botões, fitinhas, missangas, etc.

Nós fizêmos assim:
> Recortamos o rolo.
> A A. pintou de amarelo com pintinha verdes. (Sozinha!)
> Depois colamos estrelinhas e uma fita.
> Agrafámos uma flor na frente.
> Fizêmos dois furos e colocamos um elástico à medida.
E está pronta a usar!

Dificuldade: 1
Tempo: 30 minutos
Custo: Baixo


2. Coroa de renda.
Vejam aqui como fazer.

3. Coroa de flores artificiais.
Outro ex…

Páscoa 2013

Sim, ainda amamento!

(Fala apenas a mãe). Gosto muito de amamentar. Cada filha de sua forma.

A A. quando nasceu, depois de um parto agitado apenas quis dormir.
Demorou a pegar na mama, tive uma enfermeira fantástica na MAC que durante a noite me ajudou e consegui a proeza de lhe dar de mamar. Revia todas as dicas que tinha lido sobre uma boa pega do bebé mas ansiedade de não "saber fazer" estava lá.

Depois passou... e veio a subida do leite, já em casa e doeu que se fartou! (- Ninguém nos avisa disto!) Não conseguia usar a bomba de leite e a única forma de alívio eram os duches de água quente. 

Depois passou... e, vieram as gretas e os mamilos doridos (gelo aliviava, na altura não sabia da maravilhosa lanolina). Muitas vezes chorava só da pensar que a aquela boquinha pequena ia voltar a tocar ali. 

Depois passou...e já não me lembrava qual tinha sido a última mama... e a A. demorava imenso tempo, adormecia a meio e ficava ali encaixada no colo, e eu adormecia com ela. 

Depois passou...e tudo se tornou…